terça-feira, 16 de outubro de 2007

medo de amar

Uns têm medo de avião. Outros, de mar. Tem gente que jamais sentirá a sensação maravilhosa de mergulhar de cabeça. Nem no rio e nem nos sentimentos. Alguns têm medo de animais. Outros têm medo de gente. Uns sofrem com a altura. Outros têm pânico de ficar à altura do chão. Alguns enlouquecem, pois têm medo de si mesmos. Outros fecham-se em si com medo do mundo. Uns têm medo da morte, sofrem com a possibilidade do fim. Outros têm medo da vida, e amarguram-se com expectativa do início. Tem gente que morre de medo de sonhar. Esses, têm medo da decepção ao abrir os olhos e vivem sem conhecer a felicidade por medo do sofrimento. E, alguns, sofrem com a mais triste das fobias. Um medo que os torna prisioneiros de si mesmos, que os escondem do mundo e que cega os olhos às cores da vida. O medo, inerente, imutável e insuperável, de amar.

2 comentários:

Adriéllen disse...

Medo de mar, se molhar...
Medo de amar, se machucar...

Se for pensar desse modo, até que é válido!

Mas não sei se vale a pena!

Guta, Guta, o que eu tenho que dizer agora?!
LINDO TEXTO!
Como sempre...

Gabi disse...

Ô, Guta... adoro ler o que vc escreve aqui. Mas, conversar contigo "pessoalmente" é bem melhor!
Esse "medo de amar" me lembra uma conversa nossa de momentos atrás... Medo bendito... ai, ai...rs
Beijoooooooooos!