terça-feira, 9 de outubro de 2007

cicatrizes

As feridas cicatrizam, sabia? Hoje, mais do que nunca, sei disso. Olho para o meu corpo, para a minha alma, e vejo as várias marcas que existem. Algumas são bem profundas, outras não passam de arranhões. Tenho, ainda, algumas cicatrizes que estão abertas. Mas logo elas fecharão. Cuido todos os dias para que elas sejam curadas, superadas. Em algumas partes de mim, as cascas estão começando a cair. Delas, só restarão as marcas que jamais conseguirei apagar. São as marcas da vivência, da experiência e da dor diárias. São os sulcos na face provocados pela erosão das lágrimas. Pelo meu corpo todo tenho, também, marcas de queimaduras. São as marcas deixadas pelo seu toque, pelo toque quente da sua pele. Essas são mais difíceis de apagar do corpo e da memória. São bem profundas e bem doloridas. Mas, quem sabe, o toque frio e gélido de outro corpo consiga neutralizar a ardência, ainda latente, que a minha pele sente.

Um comentário:

Adriéllen disse...

Amor... o pior e melhor de todos os males...

Um mal, com outro mal se cura!

Logo até as cicatrizes serão imperceptíveis, e você estará pronta para novas! :)
Não que eu deseje isso, mas faz parte da vida!

Obrigada Guta, por não me deixar sem atualizações!

Lindo texto, profundo, assim como a vejo!

Grande beijo