domingo, 29 de junho de 2008

conversa fiada

Sabe Deus, o que mais me dói é ainda sentir. Sentir não a dor de sentir o que sinto mas, sim, a dor profunda que corrói o estômago quando as lembranças vêm à tona. Dor que arrebenta, estoura as vísceras. Sabe Deus, já cansei de pedir. Quanto mais eu peço, mais me lembro. E dói, se o Senhor não sabe. Desculpe-me se tão rudemente me dirijo. Mas é que não comporto o dom das lembranças. Não sou capaz de carregar o fardo árduo, a sina triste. Me dê outra tarefa. Não menos árdua que essa. Mas que me transporte para outro mundo. Qualquer outro lugar que seja meu. E não a representação barata de um mundo que dizem ser o seu.

2 comentários:

Carlos Bitencourt disse...

Maria Bethânia narrando esse texto seria muito nhamnham
Hahahahahahahhaa
\o/
Parabéns,novamente!

Cibele Jordão disse...

Lindooo...
Gente, eu demoro pra vir aqui, mas quando venho e leio essas maravilhas, nossa, foda...

Beijos moça...